Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




UM CORAÇÃO NORMAL

Bruno Rodrigues, em 29.10.13

   Em primeiro lugar, não quero deixar de referir que o coração é um orgão cuja espectacularidade e complexidade me deixa atónito. Quanto mais entendo sobre o seu funcionamento mais louvo a natureza por tão bela e harmoniosa criação. Enfim, mas voltanto ao que importa, o coração é o órgão muscular responsável por fazer percorrer o sangue através de todo o organismo, o que é feito em aproximadamente 45 segundos em repouso. Durante este tempo o órgão bombeia sangue suficiente a uma pressão razoável para percorrer todo o corpo, desde o escalpe até aos dedos dos pés, nos sentidos de ida-e-volta, transportando assim, o oxigénio e nutrientes necessários às células para que sustentem as actividades orgânicas.
   Este é divido em quatro câmaras: as duas câmaras superiores são chamadas de Átrios; as duas câmaras inferiores são os Ventrículos. A intercomunicação entre os átrios e os ventrículos é feita por meio de válvulas que se abrem e fecham deixando assim o sangue fluir. Num coração normal, o Sangue Venoso proveniente do corpo (pobre em oxigénio e representado na figura abaixo a azul) entra para o Átrio Direito pela Veia Cava Superior e Veia Cava Inferior. Quando a Válvula Tricúspide abre, este sangue flui para o Ventrículo Direito, sendo imediatamente expulso para os pulmões pela Artéria Pulmonar. Aqui, o sangue recebe o tal oxigénio necessário ao resto do organismo. Este sangue arterializado (representado a vermelho na figura abaixo) volta ao coração e enche o Átrio Esquerdo. Mais uma vez abre-se uma válvula, a Válvula Mitral, e este desce até ao ventrículo, desta vez, esquerdo. O Ventrículo Esquerdo bombeia-o para a Aorta e o sangue é distribuído pelo corpo. Este ciclo de entra-e-sai repete-se a quase cada segundo.

 

Diagrama de um coração humano


   O Canal Arterial, ou Ductus Arteriosus em latim, é um pequeno canal que só existe fisiologicamente no feto. É indispensável à vida fetal. Situa-se entre a Artéria Pulmonar e a Aorta. Por ele, o Sangue Venoso da Artéria Pulmonar é desviado parcialmente dos pulmões os quais durante a vida fetal ainda não são funcionais. O sangue drena então para a Aorta, para ser encaminhado para a Artéria Umbilical que se dirige para a Placenta, onde é re-oxigenado e libertado dos produtos finais do metabolismo. Volta ao feto pelas Veias Umbilicais.

   Quando a criança nasce a circulação pulmonar entra em funcionamento após a laqueação do cordão umbilical. O sangue passa a ser oxigenado pelos pulmões e o Canal Arterial fecha-se progressivamente. A persistência deste canal, faz parte das cardiopatias congénitas. Nos casos de certas cardiopatias congénitas, como no caso da Hipoplasia do Ventrículo Direito com Atresia da Válvula Tricúspide, este canal deve permanecer aberto para que a vida seja possível até que uma cirurgia tenha lugar.

   O Foramen Ovale, por sua vez, é um pequeno orifício entre os átrios direito e esquerdo. Esse Forame ocorre apenas na vida fetal e funciona como uma passagem do sangue vindo da Veia Umbilical, mais oxigenado, pelo Átrio Direito em direcção ao Átrio Esquerdo. O sangue no Átrio Esquerdo (com oxigénio) não retorna para o Átrio Direito, já que o Septum Primum funciona como uma válvula e oclui o Forame no momento em que o Átrio Esquerdo se contrai.

   Normalmente esta abertura também se fecha horas antes ou depois do parto. Após o nascimento, quando os pulmões se tornam funcionais, a pressão pulmonar diminui e a pressão atrial esquerda excede à da direita. Isto comprime o Septum Primum contra o Septum Secundum, fechando o Foramen Ovale.



mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.